AMOR EM TODAS AS FORMAS





Os relacionamentos de Jonas nunca duraram muito tempo. Jonas era esquisito. Ele sempre passava do ponto. Demonstrava o amor como um desenho de um filho que é colocado na geladeira para todas as pessoas verem. O problema é que, assim como no caso do desenho tosco feito por um filho, as pessoas também não gostam de ver tanto amor assim.

Quando saía com Cristina, ele sentia muitas e incontroláveis saudades, por isso durante um mês, ligou todos os dias, de madrugada, para ouvir a voz dela, pois não podia aguentar uma noite toda. Depois de um mês, Cristina resolveu que Jonas não valia suas olheiras e terminou com o garoto.

Quando saía com Juliana, ele gostava de fazer surpresas. A primeira vez que apareceu sem avisar na casa da moça, ela achou fofo. Porém, ele não parou por aí: começou a aparecer em todos os lugares, no trabalho, no meio de uma consulta médica, no meio de uma viagem com as amigas, no meio de uma sessão de cinema, enquanto ela pintava o cabelo no salão, no meio de uma prova da faculdade. Na verdade, mesmo depois do término ele continuou aparecendo e só parou quando a polícia interveio (ele ainda tinha planos de aparecer no meio do parto dela depois que ficou sabendo que ela estava grávida do atual namorado).

Quando saía com Nancy, decidiu que iria guardar lembranças de tudo que vivessem. Novamente, a menina achou uma fofura que ele guardasse os ingressos do primeiro cinema juntos, ticket de estacionamento, restaurante. Eles terminaram depois de Nancy encontrar um quarto na casa do moço com uma placa escrito “Nancy” na porta e que dentro continha não só as primeiras coisas que eles passaram juntos, mas todas, o 47º cinema juntinhos, as 72 garrafas de vinho que beberam, todos absorventes que ela usou durante o romance….

Então ele começou a namorar Lívia. Lívia era perfeita para Jonas, ela ria de tudo que ele fazia, não precisava esconder nada dela, podia ser exatamente quem ele era. Ela inclusive ria desesperada enquanto ele cortava o peito dela e arrancava o coração. Ele queria ficar para sempre junto do coração dela.




























9 Comentários

  1. Putz! Mas o que é isso minha gente?! Que cara mais obsessivo, maluco demais...
    E guardar até os absorventes de uma namorada? kkkkkkk meu Deus, disso eu ri xD
    Mas esse final...quando achei que o cara ia parar? Nossa....não. Muito doido.
    Bom conto. Mas espero nunca conhecer ninguém assim...

    ResponderExcluir
  2. O amor é cego..e surdo/mudo também!
    Confesso que não esperava um desfecho assim e tudo que estava até meio leve, pronto. Fim.rs
    Acho que aí já não era mais amor, só dor!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Paulo, eu sou fã dos finais que você coloca nos contos. Sempre sei que você vai conseguir me surpreender.
    O amor e as suas facetas, com suas esquisitices também.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de fevereiro. Serão dois vencedores, dividindo um vale compras e dois livros.

    ResponderExcluir
  4. Eita Paulo!
    Que brutal!...
    Já desconfiava desde o início que ele era psicopata, mas não imaginava que o final seria de tamanha crueldade...
    “O saber é saber que nada se sabe. Este é a definição do verdadeiro conhecimento.” (Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  5. pelo conto é possivel ver o relacionamento abusivo, as perseguições, a falta de privacidade, tudo pautado na segurança inválida do "é por amor"
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Paulo,amor altamente pegajoso, maníaco obsessivo tem esse personagem.Difícil de parar suas ações,como aconteceu em várias ,senão todas as situações,com por exemplo com a Juliana que teve que chamar a polícia,quem não teve muita sorte foi a Lívia,que se foi , sorrindo,rindo,mas se foi.Nossa!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Paulo!!
    Adorei o conto já imaginava que teria um fim trágico!! Pois o que Jonas senti não era amor e sim obsessão!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  8. No começo do conto eu só consegui lembrar daquela música lá: "... mas eu prefiro estar aqui, te perturbando, domingo de manhã". haha

    Depois senti mesmo que que teríamos uma vítima. Pobre Lívia.

    ResponderExcluir
  9. Paulo adorei, vc e seus finais surpreendentes né... Que amor mais doentio...
    bjs

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...