Resenha: Caravaggio - Um Nome Escrito Em Sangue


Título: Caravaggio - Um Nome Escrito Em Sangue

Autor: Matt Rees

Páginas: 286

Editora: Novo Século




COMPRE AQUI:  SUBMARINO,  BUSCAPÉ,  AMAZON









     Não é uma biografia, mas é tão real que eu estou acreditando em tudo que li. É tão perfeito e único... Maravilhoso!!!


" - Todo mundo morre. Parece até que a gente
morre mais de uma vez, pois a morte é
abundante. Parece que quase não há pessoas
vivas suficientes para satisfazer toda morte que deve ocorrer."
Pag. 110



     Antes de falar da obra preciso falar sobre o autor. Matt Rees fez um trabalho fantástico! Ele estudou a fundo as obras de Michelangelo de Merisi da Caravaggio. Além disso ele também fez aulas de pintura a óleo e esgrima. Chegou até a pintar a barba de preto para ficar parecido com Michelangelo e entrar no clima do livro. A esgrima entrou na sua vida porque a luta de espada era como os homens da época lutavam. Inclusive eu descobri uma coisa da qual eu não sabia, que as pessoas precisavam portar um documento para ter uma espada, como um porte de arma. 

     O autor usou as obras do pintor para compor seu romance. Mas depois de ler eu fui procurar os quadros para ver o que eu antes não via; e juro que estou acreditando neste romance mais do que os livros de história e as biografias contam por aí.


"... Você vê como seu rosto parece sair do quadro?
Isso era novo naquela época. Faz com que você
se sinta conversando com a pintura, com
o próprio homem."
Pag. 102


     No prólogo somos apresentados à Michelangelo de Merisi com apenas seis anos no ano de 1577. Ele está no leito do pai e do avô que logo falecem. Os dois, na mesma cama, no mesmo dia.

     Isso explicaria o motivo de Michelangelo ser um homem diferente dos outros de sua época... Talvez.

     Ele foi criado por Constanza Colonna, a Marquesa de Caravaggio. 

     Quando atingiu certa idade foi estudar arte em Milão. E sua arte era diferenciada. Ele usava prostitutas, bêbados e pedintes como modelos para seus quadros. Quadros esses como "A Vocação de São Mateus", "Marta e Maria Madalena", "A Madona de Loreto" entre outros.


"Precisava de uma irmã para a Madalena
que havia pintado em seu estúdio. As
prostitutas deviam estar se fortalecendo
com vinho antes das tarefas carnais da noite.
Ele encontraria o rosto da santa entre elas."
Pag. 35


     Michelangelo era um homem pobre e vivia em um lugar miserável. Era adepto da bebedeira e da boemia. 

     Até que ele recebe o convite para pintar um quadro que mudará sua vida. Ele deve pintar o quadro do Santo Padre de São Pedro. 

     Rapidamente ele se envolve com as pessoas mais importantes de Roma. Seus quadros são admirados por uns e odiados por outros; principalmente pela forma como são feitos. Afinal ele usa mulheres das tavernas para pintar a Virgem Maria, e isso ofende alguns de seus possíveis compradores.

     
"Eles, esses nobres, esperam por um momento
durante anos e, então, num instante, percebem
que sua oportunidade chegou. A lealdade é
um eufemismo elegante para a chantagem."
Pag. 76


     Até que ele conhece Lena, uma vendedora de cebolas e verduras. Uma mulher pobre, moradora de um lugar horrível conhecido como Jardim do Mal. 

     Lena não é como os outros moradores, ela trabalha e não se envolve em confusões, não é frequentadora dos bares. Passa seu tempo trabalhando e cuidando de seu sobrinho e de sua mãe. 

     Assim que Michelangelo coloca os olhos em Lena, ele enxerga a mulher que ela é. Mas isso não é o suficiente para fazê-lo mudar totalmente. 

     Ela passa a ser sua musa. Ele a pinta em vários quadros; muitos deles como a mãe de Jesus. Até que a paixão passa a ser irresistível para esse coração duro que já viu de tudo, e Michelangelo de Caravaggio finalmente se entrega ao amor. 


"Em qualquer lugar dos estados papais, o homem
que apresentasse a cabeça decepada de Caravaggio
às autoridades poderia reclamar uma recompensa."
Pag. 168


     Um amor conturbado e cheio de sofrimentos diga-se de passagem.

     E num momento terrível de sua vida, Michelangelo mata um homem numa briga. Acusado de assassinato, ele é obrigado a fugir até conseguir seu perdão e poder voltar. 

     Anos se passam. E Michelangelo nunca volta...


"Sou um doce podre, pensou ele,
seduzindo alguém quando o açúcar lhe toca
a língua, mas corroendo-lhe as entranhas."
Pag. 192


     O que há de real nisso tudo?

     Quando fui olhar com mais clareza as obras de Caravaggio, percebi que vários de seus quadros tem a mesma musa. Assim como citou o autor.

     O livro se passa entre os anos de 1605 e 1610. Anos em que ele pintou os quadros descritos no livro e quando simplesmente desapareceu. Alguns dizem que ele morreu pela febre. Outros que foi assassinado... Nada se sabe, ele desapareceu e seu corpo nunca foi encontrado.

     
"Minhas ideias conspurcadas, transformadas 
num clichê para o julgamento rápido de um
homem que se pretende um conhecedor."
Pag. 27


     E em pouco mais de 200 páginas, Matt Rees criou uma história de amor, traições, lutas, amizades e muita, mas muita realidade!! 

     Páginas e mais páginas de aprendizado, de ensinamentos sobre a arte e a cultura da antiga Roma. 

     Uma delícia!! Aprender assim é tão mais fácil!! Mesmo que nem tudo seja verdade, saber sobre algumas pinturas que estão até hoje nessas catedrais e igrejas, além de fazerem parte de exposições... Juro que de agora em diante vou olhar com outros olhos para estas obras. À partir de agora não é só um quadro de um grande pintor, e sim de um homem que amou, que foi amado, que teve amigos e inimigos. Nunca vi Michelangelo de Caravaggio como um homem com sentimentos. Nunca parei para me aprofundar na sua história, e foi graças a um romance que a vontade de saber mais foi despertada.



"A princípio o menino achou que ele queria
dizer que uma criança de seis anos não 
deveria presenciar a partida do pai, o que
lhe provocou um soluço, pois já pressentia
como as coisas seriam sem ele."
Pag. 15


     A capa é linda!! Traz o primeiro quadro tratado no livro. "A Vocação de São Mateus" feito em Roma no ano de 1605.

   

 



     É narrado em terceira pessoa pelo ponto de vista de Michelangelo. Uma narrativa por sinal muito envolvente e que não enrola o leitor em momento algum. Passeando por Roma, pelo Jardim do Mal e pelos pensamentos do protagonista, conseguimos ver tudo perfeitamente!! É como estar lá.

     A diagramação está ótima também. Tudo casou maravilhosamente bem. Uma obra de arte!!

     Então, se você gosta de ótimos livros, LEIA CARAVAGGIO - UM NOME ESCRITO EM SANGUE!





"Marta e Maria Madalena"
 




"A Madona da Serpente"
 




"Davi Com a Cabeça de Golias"
 




     E tem muito mais... Amei e recomendo!!!













Comente, clique e participe:


8 comentários:

  1. Quanta criatividade!! Achei fantástica a forma com que o autor conseguiu juntar elementos reais do trabalho de Caravaggio com a fantasia. Um trabalho de pesquisa e tanto!
    E parece ter dado super certo, afinal te fez até ir conferir as coisas e olhar para elas de uma nova forma.
    Eu gostei muito. Não conhecia e agora pretendo ler.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Achei demais este livro. Tem uma história muito interessante, Sempre fui apaixonada por histórias deste tipo. E pelo que li aqui. Vai ser minha leitura favorita. Obrigada por me apresentar este livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Lelê, você me deixou louco para ler esse livro, de verdade. Adoro obras que referem-se à escritores, pintores e etc. E o autor parece ter trabalhado a obra de uma maneira incrível. Certamente iria adorar!

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de novembro

    ResponderExcluir
  4. O livro parece muito bem trabalhado, mas bom tomar cuidado com o conteúdo sempre. Especulações e teorias sempre houveram e haverão, assim como o futuro, o passado muda constantemente a cada descoberta. Essa mistura é sempre enriquecedora pois desperta em nós a vontade da pesquisa, da averiguação pra saber até onde é ficção ou não.
    O problema é quando surgem os crentes - não os oficiais, mas aqueles que acreditam em tudo - e transformam livros como esse em suas bíblias. Brown, Sphor, Viancco, sabem bem sobre o que falo XD

    Saudações,
    Ace Barros
    Capitão do drakkar Interlúdio, navegando pelo Multiverso X
    multiversox.com.br

    ResponderExcluir
  5. nossa o autor realmente entrou de cabeça no universo , se caracterizando e tudo! imagino o trabalho para compor esta história!
    seus esforços levaram a um perfeito entrosamento entre fantasia e realidade, ficando dificil saber o que é mentira e o que é real!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Lele!!

    Nossa esse livro parece muito bom! Fiquei tentada logo de início, pois amo livros históricos, ainda mais com personalidades reais que são retratadas em meio a "ficção" e realidade, pesquisas e fatos históricos!
    Acredito que comprarei sim e logo, até porque minha mãe também vai querer ler esse hahaha

    Ótima dica Lele, e adorei a resenha!

    Beijos!

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Puxa, senti vontade em aprender também..Acredito que alguns livros que normalmente passam despercebidos por nós, acabam trazendo uma carga de emoções e sentimentos incríveis. Não conhecia nada da história desse grande e conturbado pintor, mas admito que fiquei muito curiosa e louca pra ler o livro..e o farei!!!
    Amei!
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Oi Lelê. Não conhecia esse livro, mas já o adorei. Amo livros que são escritos aproveitando-se das lacunas da história. Porque é como se completasse algo que falta, é como se o que está escrito ali se tornasse realidade, pura verdade como você mesma disse! Já estou apaixonada por esse livro e o coloquei na minha listinha para 2015! :D Bjoks da Gica.

    umaleitoraaquariana.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...