Resenha: Invisível


Título: Invisível

Autores: David Levithan e Andrea Cremer

Páginas: 318

Editora: Galera



COMPRE AQUI:  AMERICANAS,  SUBMARINO,  BUSCAPÉ








   


     " - Quero acreditar, Stephen. Mas precisa entender...
ninguém é capaz de enxergar você."
Pag. 75



     Já li alguns livros do David Levithan, tanto sozinho quanto os escritos com outros autores. Então vou explicar rapidamente o que acontece com esses livros. 

     Em Todo Dia, toda a história de A nos faz pensar sobre preconceitos e aceitações. Uma história linda!

     Em Will & Will escrito em parceria com John Green temos um Will gay e outro que traz toda uma filosofia de vida, assim como os outros livros de John Green. Um livro perfeito!!

     Já em Nick E Norah temos um romance divertido, leve e delicioso de ler!

     Agora em Invisível escrito junto com Andrea Cremer, que é autora da série Nightshade encontrei o velho David só que com um toque sobrenatural, que é característica da autora.

     
"Quero que uma pessoa me veja. No meio daquelas
centenas. No meio daquelas milhares. Só quero
que uma delas me pergunte as horas."
Pag. 26


     Stephen nasceu invisível. Seu pai não aguentou o fardo de criar um filho que ele não pudesse ver, não pudesse brincar e nem passear por aí e foi embora abandonando esposa e filho. Sua mãe o criou da melhor maneira que pode. Nunca deixou que faltasse nada, a não ser a explicação para sua invisibilidade.

     Nunca ninguém o viu, nem ele mesmo sabe qual é sua aparência. 

     E depois que sua mãe morreu, Stephen fica definitivamente invisível e esquecido. Não tem mais ninguém para conversar. Ninguém sabe nem que ele existe. 


"Sim, eu tinha minha mãe e, embora fosse invisível
para ela, podíamos conversar todo tempo. Mas
uma conversa com uma garota? Era inédito."
Pag. 41


    Um dia no hall do andar em que Stephen mora, uma garota um tanto atrapalhada deixa cair suas sacolas de compras. Ele fica ali de canto esperando que ela termine de carregar suas coisas para que ele possa abrir a porta do seu apartamento, pois ele é invisível, mas não é capaz de atravessar paredes ou coisas assim. Ele é sólido, só que ninguém o vê. Até que ela o chama e meio que pede ajuda.

     Oi?? Como assim??

     Simples, a vizinha que mora do lado da porta ao lado o chama e pede ajuda.

     Ele fica apavorado, assustado, excitado, curioso, surpreendido e feliz. Stephen acha que seu feitiço chegou ao fim.
     Assim que os dois entram no apartamento de Elizabeth ele descobre que não acabou, pois o irmão dela, Laurie, não consegue vê-lo. Então ele volta pro seu mundo, ou melhor, pro seu apartamento.


"Estamos no meio de uma cidade, mas por um
minuto não há cidade. Estamos no meio da mata,
mas por um minuto não há mata. Estamos cercados
de pessoas, mas por um minuto não temos medo
de ser interrompidos."
Pag. 51


     Mas por que só ela consegue?? O que ela tem de diferente das outras pessoas?? 

     E antes que ele conseguisse falar pra ela que ele não era como todos os outros garotos do mundo, os dois já estavam se envolvendo... 


"Meus lábios, naquele momento, simplesmente
pareceram leves para ela. Ou meu abraço era
delicado, meu toque, semelhante à brisa."
Pag. 69


     Já deu pra imaginar onde entra toda a história sobrenatural não é?? Pois é. 

     Não sei se por conta de tudo que já li do autor, este livro não me convenceu. Eu gostei, mas também não gostei. Adorei os personagens; o Stephen é um garoto incrível! Sempre paciente, tranquilo e muito amoroso. Elizabeth é uma garota linda! Ela só quer ser ela mesma, é forte, determinada, amiga... Adorei essa garota. Laurie é divertidíssimo, um pouco egocêntrico, piadista, inteligente, de pensamentos e respostas rápidas, corajoso. Amei o Laurie!!! Tem outros personagens também muito bons, mas esses três são ótimos.

     O que eu realmente não curti foi esse elemento sobrenatural. Eu gosto do gênero, mas não casou com o livro. É como se ele fosse só para explicar o motivo de Stephen ser invisível. Não curti isso. Talvez eu quisesse outra coisa, talvez não; mas o que eu sei é que a explicação dada e toda a aventura não me convenceram. 

      Pode ser que o próprio autor quisesse dar uma renovada no seu estilo de livros. Pode ser que ele mesmo quisesse esse ar novo, mas eu prefiro o velho David. Com seus pensamentos, suas filosofias, seus amores e seus rompantes.

     Dá pra perceber claramente onde cada autor entrou, as sacadas dele são inconfundíveis, e as referências às outras obras estão presentes e são de morrer de rir.


" - Plantão de notícias - diz ele. - Eu sou gay, não
um feiticeiro. Quem é gay e feiticeiro é Dumbledore,
e , da última vez que verifiquei, ele ainda era só um
personagem de livro."
Pag. 100


     Quanto a capa eu achei que tem tudo a ver!! Adoro as capas da editora e esta está lindíssima!! Diagramação ótima também. Quanto a isso nem se discute. Agora quanto ao livro eu ainda não me decidi. 

     Sério, preciso pensar... Preciso conversar com alguém que tenha lido, debater sobre algumas coisas pra definir, porque está difícil.
  
     Eu gostei e não gostei. Melhor, gostei de tudo, menos de um elemento e de umas explicações. O restanto está perfeito.

     Então se você gosta de livros com um toque sobrenatural, se jogue. Se você já leu outros livros do David Levithan, leia este e tire suas conclusões, mas me chama pra conversarmos. Agora se você não leu nada dele e quer conhecer, comece por outro, depois pegue este. Acho justo.

     

9 comentários:

  1. Lelê, eu ainda não consegui me decidir se quero ler algo do David Levithan. Acho ele sempre muito conectado ao John Green e eu até agora não sei se o "A Culpa das Estrelas" é um bom livro ou algo que em enganou - no momento eu gostei muito, mas agora, olhando em retrospectiva...nem tanto.

    Ainda não tinha lido uma resenha completa sobre o "Invisível", apenas comentários soltos de quem afirma não ter gostado muito, mas eu até achei a ideia interessante, talvez tenha faltado algo na execução......

    Dois abraços ;)

    ResponderExcluir
  2. é uma aposta de enredo bem diferente!
    eu tenho curiosidade em ler algum livro do autor e creio que começaria por este se tivesse a oportunidade, diferentemente da sua indicação, pois dos que conheço dele, esse foi oq ue mais me atraiu!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu estou meio assim com este livro. Uma hora quero ler, outra hora nem tanto. Acho o enredo interessante e não quero descartar totalmente a leitura.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  4. Olá, Lelê. Eu tenho muita vontade de conhecer a escrita do autor e principalmente de ler esse livro. Afinal, um personagem "invisível" não é algo que se veja todos os dias (eu sei que o trocadilho tá péssimo kkkk).
    Enfim, acredito que o autor tenha inovado e feito algo original, mas com intenção de deixar uma lição. Tenho certeza que irei gostar da obra.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de dezembro

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bom?
    Eu já li Nick e Norah e gostei da escrita do autor, mas depois disso não li mais nada dele. Vejo que muitas pessoas se decepcionaram com a leitura de Invisível e isso me desanima um pouco para começar a ler. A premissa sobrenatural não me atrai muito, mas fiquei muito curiosa para saber mais sobre a invisibilidade do personagem.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Adorei o "eu gostei, mas também não gostei", hahaha. Seguido sinto isso por livros. Às vezes a história é boa, mas tem algo que não empolga... :/
    Só li Nick e Norah do autor, e curti bastante.
    Gostei de saber que invisível é meio sobrenatural, pelo título achei que era no sentido figurado da palavra. haha
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, Lelê, tudo bem? Eu estou sempre querendo ler algo do David e nunca realmente cheguei a começar. E por ser escrito junto com a Andrea (Nightshade <3) me interessei de cara pelo livro, e você falando sobre ele me deu mais vontade ainda de ler. Mas estou morrendo de medo dessa "explicação", estou com medo de estragar o David e eu não querer lê-lo mais. Acho que vou começar com Will & Will, que eu também quero ler há séculos. Ou você tem outra indicação dele. ~morrendo de dúvidas

    Beijos, Isa

    http://portras-daslinhas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Alê,

    Assim como você também não gostei da parte sobrenatural obviamente inserida pela Andrea Cremer.
    Achei que a história tava tomando um rumo muito bom no começo, mas dai quando começou essas explicações e esse lance relacionado a magia ela perdeu um pouco o ritmo.
    O que mais gosto do David é essa abordagens de assuntos tão incomuns que não possuem uma explicação exata, talvez por isso tenha gostado bem mais de Todo Dia do que Invisível.

    bjs
    Tais
    http://www.leitorafashion.com.br

    ResponderExcluir
  9. Li Invisível e gostei também, achei o enredo diferente e até um pouco ousado pensando pelo lado dos autores criarem um romance onde uma das pessoas não é vista. Acho que a intenção do livro é mais de reflexão na questão por trás de ser um pessoal invisível, eu pelo menos pensei assim. A parte do sobrenatural foi estranha mesmo, mas deu pra ler.

    Bjs, @dnisin
    www.seja-cult.com

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...