Resenha: Wild Cards


Título: Wild Cards

Editado por: George R. R. Martin

Páginas: 480

Editora: Leya



COMPRE AQUI:  SARAIVA, BUSCAPÉ










     Estou aqui pensando se gostei ou não de "Wild Cards". Tá difícil decidir.





     O que eu gostei?



     Bem, a premissa é incrível! Estamos em um mundo paralelo, na época da Segunda Guerra um meteorito atingiu a Terra e um ser alienígena chegou com a missão de impedir que um vírus se espalhasse entre os humanos.

     Este alienígena é exatamente igual a nós, e isso é provado com uma série de exames feitos nele. Quanto ao vírus a coisa já é diferente.

     Denominado como Carta Selvagem, o vírus tem três reações, e nenhuma delas é boa.

     A primeira reação é a morte de maneiras bem horrendas. A segunda reação, que é a que predomina entre os infectados é chamada de Curinga. Esses infectados ficam deformados. Podem ter trombas, patas, cara de coruja... Enfim, são muitas as deformidades. E claro que todos os curingas sofrem muito com isso.

     Os infectados que tiverem muita sorte desenvolvem o que eles chamam de Ás. Estes tem poderes inimagináveis como força descomunal, ou ler mentes, ou tomar todas as lembranças de alguém, ou até voar. São muitos os poderes.

     Além disso ainda temos histórias de guerras, traições, politicas, romance... Tudo misturado.

     Isso tudo, eu confesso que adorei!!



     Mas então o que eu não gostei?



     Aí é que está a questão. A forma como foi escrito é que não me agradou.

     São quinze contos, um prólogo e um epílogo. Então ao todo são dezessete pequenas histórias.

     George R. R. Martin só escreveu um desses contos. Todos os outros são escritos por outros autores. Cada um escreveu sua história.

     Então a coisa toda começou assim:

     Primeiro veio o prólogo, o segundo autor escreveu sua história baseada neste prólogo e teve a liberdade para criar situações e personagens. Fim.

     Outro autor vem e dá a sequencia usando unicamente sua criatividade, pode inserir mais alguns personagens, mudar a época, coisa que aconteceu várias vezes, pois além de passarmos pela época da Guerra, ainda damos uma volta grande pelos anos oitenta. E segue o caminho...

     Lembra muito o RPG ( valeu Ace por me ensinar um pouco).

     O que acontece com essa mudança toda é que tem capítulos que são alucinantes, carregados de drama, aventura e romance; ou seja, tem capítulos que são deliciosos. Já outros nem tanto. Alguns são bem chatos pra falar a verdade. Esse sobe e desce na narrativa pode agradar muito os fãs do autor, principalmente os que gostam de saber as motivações políticas, as traições e tal, mas confesso que eu não gostei.

     Gosto de saber o que vou ler. Pelo menos qual é o gênero. Ficar nessa de surpresa não me apetece nadinha.

     Então se eu fosse classificar o quanto gostei, eu diria 50%, porque como eu disse, eu gostei e não gostei.

     Ficou confuso? Eu ainda estou.

     Recomendo que você leia e volte para me contar o que achou. E se já leu me diga já!! Vamos conversar!!




Só mais uma coisinha:
No domingo, dia 20 de julho, eu e mais três blogueiras lindas vamos bater um papo sobre esse livro na Martins Fontes aqui em São Paulo.

Convido todos vocês à participarem. Além de nós, ainda teremos a presença do tradutor da série e sorteios!

Clique na imagem para saber mais.




11 comentários:

  1. Já havia lido algo no mundo literário sobre este livro.
    Mas não consegui acompanhar. Ainda não consegui ler nada do autor..(me crucifiquem). Já estive com os livros dele em mãos muitas vezes, mas as letras pequenas demais me impediram de comprar. Não dou conta....
    Sei que é sucesso, afinal há uma legião de fãs incondicionais pelo mundo. Creio que vá agradar sim. Mesmo sendo essa bagunça na hora de escrever..rs
    E que o encontro traga bons frutos e mais teorias da conspiração!rs
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. É Lele, é dificil de gostar de livros como esse devido a eles serem feitos como livros de rpg, por isso essa liberdade dos contos. A única coisa que reclamei foi venderem como um livro apenas do Martin, isso me incomoda as vezes

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu ainda não li esse livro, e nem pretendo
    Desculpem povo mais eu não gosto dos livros do George R.

    eu só li um e não gostei muito não

    ResponderExcluir
  4. to sentindo que virou bagunça, Lê
    sei lá não senti uma continuidade e como a Penelope aponta é sacanagem só citarem um autor na capa, compra gato por lebre!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Vamos por partes XD A sua comparação com o RPG tá meio equivocada, mas tem parte certa aí.
    Wild Cards nasceu como um grande cenário para as aventuras de RPG do George R. R. Martin. Como você disse ele é composto por ”contos/capítulos” organizados, cada um desses contos é escrito por um autor diferente, mas todos participaram das narrativas de George R. R. Martin no RPG. Aí para a ligação com o jogo.
    A narrativa ser diferente e/ou não ser cronológica não necessariamente a ver com o jogo, mas com uma escolha editorial deles. Mas concordo quanto ao exercício de criatividade.
    Quanto ao livro em si, a ideia não me chamou tanto a atenção. Ainda mais por serem vários contos e a série ser IMENSA. Desde 1987 quando saiu esse primeiro já temos VINTE E SEIS lançados. É bacana? É. Mas não ser um trabalho contínuo, conter personagens e tramas para dar e vender, e ser tão longa afasta qualquer chance de eu acompanhar a série apesar de ser muito fã do tema. (E de RPG)
    Consigo compreender facilmente a sua indecisão quanto a gostar ou não. :)

    Multiverso X

    ResponderExcluir
  6. Oi, Alessandra!
    Eu não tenho interesse em ler os livros do autor. Mas deve ser muito bom dos livros!
    Abraços! Encantos Paralelos

    ResponderExcluir
  7. Amei! Amei!!n Parabéns Lele, como sempre... A resenha é ótima!

    ResponderExcluir
  8. Poxa, não sabia que eram contos. :O
    Eu gosto e tal, mas esperava uma história inteira e tal. rs
    Igual lerei. *-* Quem sabe eu goste.
    bjs
    http://apenas-um-vicio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Olá Lele tudo bem? Eu adoro livros assim, pois sou uma grande viciada do jogo World of Warcraft e tem a série de livros também! E eu adoro, porem achei meio chato venderem apenas com os holofotes em cima do Martin =/

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  10. Lele, do MArtin eu li o "A Morte da Luz", que é uma fc classicona, com muita filosofia, sociologia e questões do tipo, que me agradou muito! Eu estou lendo o "As Cronicas de Gelo e Fogo" no Kobo mas bem devagar, sem muito compromisso, e estou gostando. E, sabe, eu tinha certa curiosidade com o Wild Cards, mas ainda não tinha entendido muito bem qual a dele, até ler sua resenha: também achei que a ideia é genial, mas, bom, não é o Martin né, fica difícil quando tem outros escritores na jogada, e eu nem sabia que era um livro de contos!

    Acho melhor, pelo menos por agora, continuar co as "Crônicas".

    Dois abraços ;)

    http:////www.pontolivro.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Lelê. Pena que não vou poder comparecer ao evento, fica meio longe para mim! kkkkkk Quanto ao livro achei que ele era todo escrito por um autor só. Não me agradou em nada saber disso. Geralmente os livros que com mais de um autor não me cativam, mas mesmo assim vou ter que ler para ver o que acho né. Assim que fizer isso volto para te contar. Bjoks da Gica.

    umaleitoraaquariana.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© To Pensando em Ler - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo